Tendência de mercado: single vs multiplayer

Jovens do meu Brasil, aqui estamos de novo depois de um longo período de férias forçadas do blog! Mas, voltamos com uma questão que volta e meia entra em discussão em fóruns e muitas vezes promove um verdadeiro MMA em debates de facebook: a tendência é single ou multiplayer?! Mas sejamos sinceros, o dia que tudo agradar a gregos e troianos será quando ou todos forem para o inferno ou todos subirem aos céus!

Mais do que taxar como uma resposta certa ou uma tendência de mercado certa, fato é que, de tempos em tempos, os modos de jogo acabam se revezando e caindo nas graças do público massivo. Assim foi com CS, BF (mais especificamente o 3), e mais recentemente com Destiny, que arrastou milhões de users para os servidores numa batalha frenética multiplayer que rendiam, e ainda rendem, muito faturamento as empresas produtoras, desenvolvedoras e distribuidoras dos games.

Mas como nada se cria, tudo se copia, principalmente hoje em dia, o mercado vira e mexe se satura com a inundação de títulos de jogabilidade, temática ou modo de jogo idênticos. Além disso causar um briga saudável (uma pinóia), fomenta a criação de outros inúmeros “jogos cópia” ou “jogo tipo”. Em caso muito recente podemos verificar o que ocorreu com Battleborn, jogo de forno, que foi lançado neste segundo semestre de 2016 e que embora tenha tido um apelo gigante, não emplacou. Na verdade se tornou só mais um título de repetição, com objetivos já conhecidos e que não trazia elementos de dinâmica que cativassem os gamers, tendo recebido a pecha de “jogo tipo”.

Algo parecido – mas diferente, acontece nos games single player. A gama de exploração sensorial e de experiência que você consegue imergir o jogador é mais intensa, já que o cenário de jogo monorítmico propicia tal vantagem. O que não quer dizer que tranqueiras não sejam produzidas, aproveitando a onda de lançamento (principalmente relativa à temática), claro!

a4lvg8v_700b
Isso é uma verdade…. Minha mãe não fica com a orelha quente.

Alias, a temática é algo que se repete com muita frequencia em jogos single. Embora este não seja o problema, o x da quest reside justamente na falta de elementos que destaquem o jogo e não o tornem monótono, como cópia literal e barata (ou cara) de determinado título que já emplacou vendas.

Com a vinda com Fallout 4 e sua história de amor e ódio absolutos de seus jogadores, algumas produtoras tentaram lançar títulos, APARENTEMENTE similares, já que em geral, a temática apocalíptica e de exploração com insuficiência de recursos agrada muitos paladares. Foi aí que vi surgir o primeiro murmurinho de “No Man’s Sky”, ainda prometido para 2016 naquela época. E ai começou o jogo de perigo dos games single: a venda pelo trailer….

Ah, amigo…. quantas vezes você comprou game por trailer e se arrependeu? Ainda mais de uns anos pra cá? E a decepção dói… no bolso… e pra caramba.

uncharted-3-chloe-e3-trailer-comparison
Não é o caso, mas ilustra bem o naipe da decepção. Não precisa mentir, se for bom, nós vamos comprar e sem necessariamente ter o gráfico fodaralhamente trabalhado. Mas não minta no enredo.

Sempre que um jogo é anunciado e a empresa tentar vende-lo pelo trailer, hum…. melhor pegar certa distancia antes de sair gastando suas coins. Muita gente comprou  NMS, assim como comprou o primeiro WhatchDogs e o ultimo Assassin’s Creed (este em particular tinha mais bug que no filme “vida de inseto”) e acabou repassando barato a mídia porque se arrependeu. Particularmente no caso de NMS o trailer de lançamento encantou inclusive jogadores do gênero FPS, já que por diversos momentos foi sugerido que batalhas aconteceriam, que quase tiveram  vontade de atirar uma bomba na Sony porque o game definitivamente NÃO era o que se anunciou. Se você não viu o trailer, dê uma conferida em alguém que entendeu do que se tratava e esclareceu bem o que as pessoas sentiram:

*é eu quase comprei…

O nicho em que os games foram lançados estava em alta, o que não implica dizer que eles teriam sucesso. Cada um teve sua peculiariedade, claro, e há quem defenda a boa causa deles, mas verdade seja dita, eles não causaram impacto em seu público, a ponto de ser aclamado, como foi, por exemplo, The Witcher 3, que além da grandiosa e maravilhosa CD Projekt Red ter, literalmente, lambido diversos prêmios, o título fez jus a uma porrada de de ganhos disparados em inúmeras categorias.

Os jogos que possibilitam campanhas equilibradas de multi e single, a meu ver são raros, tiradas as exceções dos de esportes, luta e corrida, em que os objetivos em cada modo de jogo, costumam ser mais balanceados. Vi apenas um título recente me cativar em TRÊS modos: Far Cry 3. Single, Coop ou Multi. A escolha sempre trazia um gosto de quero mais (muito mais).

Para os lançamentos de final de 2016 até o final do primeiro semestre de 2017 temos uma tendência de mercado mais fechado ao Single Player, com campanhas extensas, promessas de muitas horas de exploração e alta interatividade, com histórias cheias de drama, ação, romance e um “toque discreto” de mortes e sangue.

Vem sob este modo os gêneros de aventura e sobrevivência, que devem dominar o desejo dos gamers: FFXV (este título transita entre os gêneros RPG e aventura), Dishonored 2,  Rise of Tomb Raider, Horizon: Zero Danw, The Last Guardian, Resident Evil e Hitman, por exemplo.

Os RPGs também estão presentes na tônica: Persona 5 deve acalmar o fígado dos amantes da franquia.

Os FPSs estão mais reduzidos, mas não menos representados. Sniper Elite 4 vem com tudo novamente, e Máfia 3, que transita entre o gênero de ação e shooter estão extremamente cotados.

Simulação vem com Trópico 5 que tem uma grande expectativa.

No multiplayer além dos clássicos de esportes, BF1 vem causando cólicas em sua legião de jugadores com a nova temática e promessa de imersão real em táticas de guerras inseridas no contexto mundial. COD e TitanFall também tem um grande apelo.

game-multiplayer-logic_o_6573371
Tendência do verão.

Caso você esteja curioso para ver todos os lançamentos acesse a Compare Games clicando aqui. Além de ter um excelente site de busca por preços e cotação anual, você pode acompanhar os lançamentos por mês de seleção.

Mas uma coisa é fato: gostem de multi ou single, este último sempre vai possibilitar gamas maiores de interatividade e nível de expertise do que aqueles, o que não deixa de desmerecer o frenesi que somente um jogo multi pode oferecer*!

*PS.: exceto DOOM. Porque DOOM é bombagaray!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *