A visita dos Sonhos: Thiago Gardinali na SBE

Mais uma vez, nosso grande colaborador, o jornalista Thiago Gardinali, foi até a casa dos sonhos, lá em Milão na Itália. Não amigos, não estamos falando de um local, mas sim DO LOCAL: Sergio Bonelli Editore. Nosso Correspondente esteve lé durante esta semana para uma conversa com Davide Bonelli e, claro, visitar uma as maiores Editoras Europeias, o que rendeu incríveis fotos recheadas de referências e curiosidades:

 

A fachada do prédio onde funciona a Sergio Bonelli Editore, logo no primeiro andar.

 

A magnífica placa de apresentação.

 

Tecnicamente, trata-se de um corredor interno na SBE… Mas convenhamos que, com tantas obras, é uma galeria.

 

Continuando a “galeria”. Ao fundo, já é possível notar elementos diretamente ligados ao Brasil, como o quadro com o animal ícone de nossa Amazônia: a onça pintada.

 

 

 

 

Grouxo, como sempre, um pouco avesso, mas boa pessoa!

 

Thiago e Davide Bonelli na sala onde Sergio se libertava e criava todo universo que seu pai havia começado. De acordo com Davide, Sergio era um grande apreciador da arte erótica, o que justifica, em sua sala, a exibição de material específico, muito bem desenhado.

 

Com visão mais ampla, podemos conferir o mundo a parte da sala onde Sergio “escondia-se”. É possível já imaginar quantas das grandes histórias que temos em mãos começaram naquele local. E com sempre, Brasil presente, sobre sua mesa, em forma de um jacaré. E também no canto superior direito, onde se vê a cabeça do “demônio do rio”, um dos apelidos de nossos jacarés amazônicos.

 

Roberto Paravano, o coordenador geral da SBE, na sala onde ficam todos os títulos da editora, em infinitas prateleiras. Foi lá que o Davide Bonelli fez uma proposta “quase indecente” ao nosso correspondente: “pegue o que quiser”! (Eu provavelmente teria desmaiado. Mas me daria por satisfeita em entrar lá todos os dias e ler todas aquelas prateleiras até a última folha 🙂 )
Thiago na mesma sala “arquivo”.

 

Alfredo Castelli, mostrando ao nosso correspondente, o computador original, um Macintosh dos anos 80 (isso é uma RARIDADE), usado por Martin Mystère em suas primeiras histórias. Esse computador é do próprio Castelli, que levou à SBE para que os desenhistas tirassem a referência para fazer os desenhos na HQ.
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *