Quem somos afinal?!

NO PRINCÍPIO ERA… IDEIA!

 

Nascido em janeiro de 2015, o projeto 4Fun Games veio das idéias malucas da dupla Joana R. Russo e Fernando Takacs. Relativante cansados da convencionalidade e das análises muita vezes “irreais” sobre os jogos, principalmente dos que rodeiam o mundo do PS3 e do PS4, estes dois colocaram a mão na massa e criaram um jeito próprio de fazer uma crítica sobre determinado titulo.

Uma advogada e um Engenheiro podem não saber sobre edições avançadas de vídeo ou ter o veio do jornalismo quase que estampado num diploma, mas quem disse que para ser um gamer apaixonado precisa destes requisitos?

Ele, um genioso jogador de RPG totalmente democrático que ainda ama o estilo clássico de Final Fantasy, mas não abre mão da modernidade e fluidez de The Witcher III. Passa mais de 20 horas trabalhando na construção de um personagem e provavelmente vai fazer tudo de novo depois de uma hora jogando (isso quando ele não reinicia Skyrim quatro ou cinco vezes  -depois de horas jogadas, para saber quais skills são melhores…). Seu lema é sistemático e tão longo, que é melhor pular essa parte. Mas se você insiste em saber, entenda que: o personagem deve ter atributos equivalentes, mas quando desproporcionais tendem a ser compensados por forças paradoxais do “pretérito perfeito complexo com a teoria da relatividade” (sim, cante com Mamonas).

Ela uma jogadora de FPS um tanto quanto hiper ativa e invocada que não presta atenção nas conversas e é o tipo de jogador que aperta repetidas vezes o botão e, acidentalmente, passa da última fala reiniciando a conversa (e ainda bufa e fica irritada…). Provavelmente vai iniciar com um único personagem e vai passar o resto da eternidade com ele. Seu lema é único: bate, bate, apanha, bate, apanha… forever, até porque não sai disso!

 

MAS ENTÃO, QUAL NOSSO PROPÓSITO?

 

Misturando a vontade de escrever algo novo e esta paixão pelos jogos, foi que chegamos a criação deste site. Embora sejamos “novinhos” nesta área, que a bem dizer, está totalmente saturada, não estamos em busca de fama instantânea, passes de graça para uma análise comprada ou uma viagem de maionese na exploração de elementos dos jogos. Não: nós colocamos nossas impressões a prova. Jogamos os títulos e conhecemos da sua história. Mais do que apenas jogar e se divertir, nós tomamos a hora da diversão como um estudo da história daquele título, daquela saga ou daquela novidade.

Não aprovamos comparações precipitadas (que muitas vezes, tanto podem ajudar, como quebrar uma empresa). Não há necessidade de rotularmos tudo o que vemos e ouvimos. Exercitar a análise independente sem medo do que esta impressão pode causar é algo novo e que muitas vezes pode ser tida como exagero ou falta de perícia. Pouco nos importa o pensamento de algumas pessoas sobre isso: o que nos move é a dedicação, em primeiro, para nós mesmos, como se criássemos um arquivo pessoal e em segundo, para pessoas que buscam algo novo e tem mente e propósito abertos para isso.

Jogar é mais que um passa tempo, é uma arte. Não para ver quem matou mais ou quem platinou primeiro: quem joga pode mais. Pode saber mais, pode explorar mais, pode conhecer até de história mundial. As técnicas, o enredo e a experiência visual são elementos lúdicos que aprimoram um ser humano, seja ele de qualquer idade, gênero, crença e etnia.

A destreza para segurar um controle pode ajudar crianças em idade de desenvolvimento motor e idosos com problemas de Alzheimer a desenvolver e corrigir a coordenação motora; crianças e adultos com déficit de atenção podem usar os games como forma coadjuvante no tratamento deste transtorno; pessoas com dificuldades de aprendizado podem -e devem, valer-se dos jogos para ajudar na fixação dos estudos (como é o caso de Valiant Hearts e This War of Mine). Os jogos online devem ser levados mais a sério: promovem a interação, conhecimento de outros idiomas e a amizade. Jogos coop desenvolvem o instinto do partilhar para conquistar mais que qualquer outro estilo conhecido. A Agilidade de raciocínio desenvolvida; a percepção da visão periférica… enfim, são pontos muitas vezes sonegados e desconhecidos por quem joga e pelas próprias empresas.

Os jogos são, acima de tudo, uma ferramenta multidisciplinar que ainda merece muita atenção e deve ser reconhecida como tal. Jogar no controle, no teclado, na guitarra, só com movimento: não importa. O que importa é a causa por trás da intenção. É a história por trás da história, que muitos ainda teimam em não ver ou relativizar.

A arte é democrática, e para nós da 4Fun encarar o mundo dos jogos como arte é uma naturalidade.

 

COMO AS HQs ENTRARAM NO PROJETO?

 

Depois de descobrir uma paixão adormecida por quadrinhos, Joana mergulhou de vez na nona arte. Um domingo qualquer, por acaso, deu de cara com revistinhas do personagem Tex Willer em uma feira de livros dentro de um centro comercial. Não demorou até descobrir que o protogonista era quase imagem e semelhança de quem ela muito ama (o pai). Dai em diante não é preciso muito esforço para saber o que aconteceu.

Entre o final do ano de 2016 e início de 2017, conheceu grandes colecionadores e parceiros (colaboradores), como os amigos, José Carlos Francisco (dono do maior blog sobre o assunto Tex Willer e profundo entendedor do mundo texiano), Edemar Schnornberger (grande gaúcho colecionador e vendedor do mundo do oeste), Adriano Lorentz (editor chefe da Editora Lorentz), Eduardo Wisniewski (dono do Canal Q& Cia.), e Thiago Gardinali (jornalista apaixonado por fumettis). Entre muitas informações trocadas, acabou sendo apresentada ao universo Bonelli (Sergio Bonelli Editore), e o resultado foi uma admiração sem tamanho pela editora.

Hoje, decidida a disseminar os personagens Bonellianos em solo tupiniquim, não mede esforços para sempre desenterrar boas histórias e colaborar com outros colecionadores e principalmente com a Casa de Sonhos (SBE) e a “publisher” brasileira, a Mythos Editora.

Mais do que HQs, as revistas produzidas pela Sergio Benolli Editore dão vida a personagens magníficos, com personalidades e história únicas, que permitem ao leitor vive-las quase que materialmente. O cotidiano das situações e a perspicácia dos protagonistas (e até de seus coadjuvantes), é retratada de forma natural, inteligente e atrativa. Seja uma edição em cores, seja uma simples arte em P/B… Fato é que ninguém sabe produzir desenhos e histórias como a SBE.

 

E NO FIM….

 

O prazer de jogar e da leitura é algo sensacional e diferente para cada um. E por isso sempre estamos dispostos a ouvir, ler e incorporar a sugestão de nossos leitores, ouvintes e telespectadores. É fundamental para que um projeto de certo que se tenha o feedback (positivo ou negativo). É por isso que prezamos por todo comentário, mínimo que seja, e sempre respondemos de volta. Nosso diferencial é tratar nossos seguidores, colaboradores e envolvidos de maneira única ouvindo seus conselhos e sugestões e o mais importante: aplicando-os.

Por isso, se você também acha que o universo dos games e das HQs é mais que gráficos bonitos, mera diversão ou uma linda capa dura, acompanhe-nos e seja presente.

Nosso sucesso depende de você. Seja muito bem vindo à nossa humilde casa e explore tudo o que tem direito!

 

 

Compartilhe